Notícias

Renda fixa garante meta de fundos de pensão no semestre

Matéria publicada no Jornal Valor Econômico - Data: 29/07/2014

A maior parte dos fundos de pensão conseguiu bater suas metas de rentabilidade no primeiro semestre deste ano graças ao bom desempenho da renda fixa, que foi a vilã do setor em 2013. Cerca de 60% do patrimônio de R$ 640 bilhões das fundações estão aplicados em renda fixa, a maior parte em títulos do governo de prazos longos e indexados à inflação.

Clique aqui para ver a matéria completa  

A atuação da Câmara de Recursos de Previdência Complementar

Artigo escrito por Diogo Viniccius Quintans Guapyassu, Advogado na LUZ, divulgado no site 'revista Fator Brasil' (26/07).

O presente artigo tem por intuito analisar as decisões tomadas pela Câmara de Recursos de Previdência Complementar (CRPC) ao longo dos trabalhos realizados neste ano e os reflexos destas para as Entidades Fechadas de Previdência Complementar (EFPC).

Clique aqui para ver o artigo

Você sabia…

Com as posições no MITRA (sistema integrado) você pode calcular o risco econômico e legal (Basileia) apenas com um clique. Garantir que a mesma informação é utilizada em ambos os cálculos reduz o risco operacional e é um ponto reconhecido pelo órgão regulador.

O MITRA possui um módulo de Boletas com enquadramento embutido, que cobre todos os produtos de Bancos e Assets. Um modelo único de boletagem garante a consistência das regras de enquadramento e controle.

IN PREVIC nº. 01/13

A IN PREVIC nº. 01/13 estabeleceu os critérios para elaboração do estudo que ateste a adequação da taxa de juros em patamar superior aos limites estabelecidos pela legislação, limitada a 6% ao ano.

A manutenção da taxa de juros em 6%, além de gerar redução nos valores a serem provisionados, resulta em economia para os participantes e patrocinadoras, uma vez que uma maior parcela dos recursos para pagamento de benefícios do plano será "adquirida" pelo retorno dos investimentos, reduzindo-se, então, as suas contribuições normais. Cabe lembrar que o objetivo do estudo não é forçar uma redução das provisões e custos, mas sim adequar a taxa de juros às projeções de retorno dos investimentos, sem onerar os participantes e patrocinadoras além do necessário para honrar os compromissos do plano.

Em uma simulação feita para um plano de determinado cliente, ao aumentar a taxa de 5,75% (limite na Avaliação Atuarial de 2013) para 6%, as provisões matemáticas reduziram em 2,05%, enquanto que o custeio do plano teve uma redução de 3,65%. Já quando aumentamos a taxa de 5,5% (limite na Avaliação Atuarial de 2014) para 6%, as reduções passam a corresponder a 4,09% e 7,22%, respectivamente.

Avaliação atuarial

Em 2013 a LUZ desenvolveu um sistema de avaliação atuarial. A solução realiza simulações de forma individual, melhorando a precisão dos resultados e, consequentemente, reduzindo os custos atuariais dos fundos.

Em março foi finalizado mais duas avaliações no sistema, com ganhos que chegam a 2% para o cliente. O novo sistema trouxe maior segurança e agilidade ao processo, tornando possível realizar diversas simulações em poucos segundos, além da maior aderência ao perfil da população.

O sistema também pode ser acessado via web, com isso os clientes podem simular os valores de provisões matemáticas e custos, alterando as hipóteses atuariais e avaliando os impactos on line nas reservas matemáticas.